BRASILDESTAQUEPOLÍTICA

Defesa nega irregularidades com depósitos e diz que Bolsonaro sofre perseguição política

Os advogados de Jair e Michelle Bolsonaro negaram, nesta segunda-feira (15), eventuais irregularidades com depósitos em dinheiro vivo encaminhados à ex-primeira-dama. Em nota enviada ao R7, eles afirmaram “com absoluta convicção” que as contas do cotidiano da família eram “pagas com recursos próprios” e que o ex-presidente sofre “perseguição política”.

“A defesa reafirma com absoluta convicção que todos os pagamentos referentes aos custos do dia a dia da família eram pagos com recursos próprios”, disseram os advogados. “A defesa reitera que pequenos fornecedores e/ou prestadores de serviços informais recebiam em espécie a fim de proteger a privacidade do ex-presidente, bem como para evitar exposição desnecessária e risco de fraude”, completaram.

Esses repasses, segundo a PF, eram operacionalizados pelo ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, Mauro Cid, preso no último dia 3 de maio pela suspeita de articular um esquema de fraude em certificados de vacinação contra a Covid-19.

A defesa de Jair e Michelle informa que vai fazer uma exposição detalhada das transferências e “todos os custos, valores, saídas de recursos próprios do ex-presidente durante todo o período do mandato, nos 48 meses, a fim de evidenciar quanto isso tudo se trata de uma perseguição política, com a apropriação e a divulgação de vazamentos seletivos a fim de constranger os envolvidos”.

Quem é Mauro Cid?

Cid é tenente-coronel do Exército e atuou como ajudante de ordens de Bolsonaro. Ele foi preso pela Polícia Federal em 3 de maio durante uma operação para investigar a atuação de uma associação criminosa que inseria dados falsos de vacinação contra a Covid-19 nos sistemas do Ministério da Saúde.

Além de Cid, foram presos Sérgio Cordeiro e Max Guilherme, ex-assessores especiais de Bolsonaro. No mesmo dia, a PF realizou busca e apreensão na casa do ex-presidente, em Brasília. Está marcado para terça-feira (16) o novo depoimento do ex-chefe do Executivo à instituição, e, como mostrou o R7ele deve afirmar que não se vacinou contra a Covid-19 e não teve participação no esquema de fraude.

 

 

 

 

 

R7, 15/05/2023

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 4 =

Botão Voltar ao topo